Matos Fernandes: “Apelos ao descartável podem ser retrocesso”

Matos Fernandes: “Apelos ao descartável podem ser retrocesso”

Em que áreas receia que a covid-19 signifique um recuo na sustentabilidade?

Onde sinto que, no comportamento individual, induzido pela insegurança, pode haver um retrocesso no curto prazo é na recolha seletiva. Vemos um apelo ao descartável, ainda que bem intencionado, por parte das empresas para dar confiança aos clientes . Barbeiros e cabeleireiros fornecem toalhas descartáveis, há restaurantes a usar louça descartável…

Não são as regras?

Não há nenhuma imposição do Governo. Não faz sentido que se substitua o reutilizável pelo descartável. Do ponto de vista ambiental é um disparate, do ponto de vista da saúde pública é indiferente. Tenho esse receio e tudo faremos para o combater.

Como pode combater?

A transposição da diretiva dos plásticos irá acontecer. Em março do próximo ano cumprimos a diretiva e deixa de ser permitido o uso de um conjunto vasto de descartáveis.