Exxon tem plano para aumentar em 17% as emissões poluentes

Exxon tem plano para aumentar em 17% as emissões poluentes

A Exxon Mobil tem nos seus planos um aumento anual da taxa de emissões de carbono que equivale às emissões produzidas por toda a Grécia, de acordo com documentos internos consultados pela Bloomberg.

A análise que a Exxon faz da sua própria estratégia de investimento de 210 mil milhões de dólares é que esta resultará num aumento de 17% das emissões até 2025. Esta estratégia foi adotada em 2018 sob a alçada do CEO Darren Woods, e tem o prazo de sete anos. Dela resultam 21 milhões de toneladas métricas de carbono adicionais, todos os anos.

As emissões aqui contempladas dizem apenas respeito às resultantes das operações diretas da petrolífera, que normalmente representam apenas um quinto do impacto total. As emissões que resultam da queima de combustível por clientes não estão incluídas nos cálculos da Exxon. Desta forma, os planos podem acabar por representar um aumento de 100 milhões de toneladas por ano.

As projeções em questão são “uma estimativa preliminar que não inclui medidas adicionais de mitigação e compensação que seriam consideradas como o próximo passo deste processo”, declara a Exxon, em reação a estes dados. E acrescenta: “o mesmo documento ilustra como tivemos sucesso em mitigar emissões no passado”.

Os planos para o aumento de emissões poluentes são contemporâneos dos esforços de rivais como a BP e a Royal Dutch Shell de cortarem nas emissões de carbono até as anularem. Neste cenário, a Exxon está a mover-se na direção contrária àquela que a maioria das empresas tem vindo a advocar, de ajudar no combate às alterações climáticas.

A Exxon, que é a maior produtora de petróleo nos Estados Unidos, nunca se comprometeu a descer as emissões poluentes, e nunca avançou uma data para se tornar neutra em carbono. Eram também desconhecidas as previsões desta gigante no que tocava às suas próprias emissões.